EDITOR: Edgar Olimpio de Souza (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

  • Font size:
  • Decrease
  • Reset
  • Increase

Jogo do Dinheiro

Estrelado por George Clooney e Júlia Roberts, o filme joga o espectador no terreno especulativo, envolvente e pouco transparente de Wall Street, o coração financeiro da cidade de Nova York. Com direção de Jodie Foster, o longa combina de maneira inteligente temas urgentes como terrorismo, sensacionalismo midiático e descrença econômica. Três personagens centrais dão vida ao enredo. Clooney vive Lee Gates, um cínico e subserviente apresentador de um programa televisivo especializado em análises financeiras. Trata-se de Money Monster, um extravagante show que, na ânsia de contornar a aridez do assunto, entrelaça informações e dicas de ações com garotas de biquíni, piadas forçadas e efeitos especiais vulgares. Como espécie de mestre de cerimônias, Gates chega a se fantasiar de boxeador ou usar chapéu de Tio Sam, entre outras bizarrices. Interpretada por Júlia, a produtora Patty Fenn comanda dos bastidores essa miscelânea. Ambos sabem que o público de hoje precisa digerir notícia embalada num formato de entretenimento barato. 

A terceira figura é Kyle, vivido por Jack O´Connell. Descontrolado e desesperado, portando revólver e dois coletes recheados de explosivos, ele invade os estúdios de gravação no momento em que mais uma edição está em curso. Por ter seguido uma recomendação do guru das finanças, acabou perdendo todo o seu dinheiro na aquisição de ações de uma empresa – um inusitado colapso nos computadores torrou, da noite para o dia, US$ 800 milhões do estoque financeiro da tal companhia. Como não está disposto a arcar sozinho com o prejuízo, quer respostas críveis não só do fanfarrão Gates como do inescrupuloso magnata da corporação Walt Camby (Dominic West) que, curiosamente, tomou chá de sumiço durante a crise.

A radical atitude do rapaz transforma a narrativa, que vira um jogo angustiante de espera e esperteza. Enquanto o invasor mantém a vida do showman sob a mira de uma arma, a produtora tem de descobrir o paradeiro do executivo desaparecido e escarafunchar a geopolítica do escândalo.  Aos poucos, os fios do enredo vão se conectando e os protagonistas revelando sua natureza. Gates parece mais um charlatão, embora lentamente adquira consciência de seu papel nessa engrenagem. Patty não se abala um segundo em colocar de pé esse circo de horrores. Kyle é a típica vítima dos predadores de Wall Street.

A obra desembrulha questões importantes, mesmo que de forma um tanto simplista e se valendo de cacoetes típicos do cinema de suspense e investigação de Hollywood - numa improvável reviravolta no roteiro, por exemplo, os personagens desembarcam nas ruas de Nova York para um acerto de contas. São discussões bem atuais, como o comportamento nocivo do mercado financeiro, os cambalachos das corporações, o despudor de uma mídia transformada em reality show, o hábito bovino do público de acompanhar eventos midiáticos como se fosse uma novela. É sintomático observar as audiências que se formam em bares, cafés e encontros familiares para assistir aos desdobramentos desse folhetim absurdo.

A direção extrai o máximo de interesse das situações, trabalha com segurança as cenas de tensão ambientadas no set televisivo e concede ao vilão um discurso que o faz angariar solidariedade e atenção popular. Embora não revele grandes surpresas, a trama funciona como sátira à corrupção de um sistema capitalista sem freios, que parece programado para enriquecer os já ricos e empobrecer cada vez mais os pobres. A rigor, o fantasma da crise financeira que ainda sacode o mundo continua assombrando demais e há um sentimento de desencanto no ar. Não por acaso, o título da atração televisiva é Money Monster. Ironia pura.

(Ana Oh O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. )    

(Foto Divulgação)

 

Avaliação: Bom

 

Jogo do Dinheiro

Título Original: Money Monster (EUA, 2015)

Gênero: Suspense, 99 min

Direção: Jodie Foster

Elenco: George Clooney, Julia Roberts, Jack O´Connell e outros

Estreou: 26/05/2016

 

Veja trailer do filme:

 

Comente este artigo!

Modo de visualização:

Style Sitting

Fonts

Layouts

Direction

Template Widths

px  %

px  %